Mostrando postagens com marcador agressão. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador agressão. Mostrar todas as postagens

terça-feira, 20 de outubro de 2015

RAPAZ É PRESO APÓS ASSALTO E DE APANHAR DE DESAFETOS EM MACHADO





Um jovem foi preso pela Policia Militar após assaltar uma loja no Centro de Machado, na tarde desta terça-feria (20). Ele é acusado de participação em pelo menos outros quatro roubos, mas afirma que é inocente nestes outros crimes. Antes de ser detido, o suspeito ainda teria sido agredido por um grupo sob comando de outro rapaz, também conhecido no meio policial por envolvimento em diversos delitos. A agressão teria se dado porque as invasões cometidas pelo preso estariam sendo atribuídas ao seu desafeto.
Os detalhes você terá em nossas próximas edições do grupo JPF.

terça-feira, 29 de julho de 2014

DUPLA CAUSA PÂNICO A PACIENTES E FUNCIONÁRIOS DO HOSPITAL DE GIMIRIM

Câmeras de segurança do Hospital de Gimirim flagraram momentos de pânico vividos por funcionários e pacientes, durante uma confusão causada por uma mulher de 31 anos e um rapaz de 26, na tarde desta segunda-feira (28). Eles agrediram e ameaçaram um enfermeiro e um atendente, por não admitirem esperar o atendimento a uma gestante que estava à frente na fila. Apavorada, a paciente teve que ser transferida para Machado, pois passou mal durante o ataque da dupla.
O jovem já havia sido atendido horas antes, por ter se envolvido em outra briga, mas após ser liberado na delegacia retornou ao Pronto Atendimento, acompanhado da irmã, afirmando que havia sido agredido por policiais. Ele entrou em uma cadeira de rodas, mas pouco mais de dois minutos depois, no corredor onde deveria esperar pelos procedimentos de triagem, se levantou e invadiu a recepção, tentando promover uma quebradeira. Sua mãe, que já estava no local aguardando sua vez de ser atendida, tentou contê-lo, mas também não escapou de sua fúria. Em seguida, na enfermaria, a irmã atacou o recepcionista, para evitar que ele chamasse a Policia Militar (veja a sequência de imagens abaixo). Depois, novas agressões ocorreram, desta vez dentro da sala de avaliação.
Ao saber que a PM estava a caminho, o jovem fugiu, bem como a mulher, que foi localizada mas negou qualquer agressão ao servidor. As imagens que desmentem essa versão, no entanto, foram repassadas à Policia Civil, para as demais providências. Tanto as vítimas como a direção do hospital esperam que os dois agressores sejam presos, pois temem novos ataques.
Detalhes na próxima edição do JPF.








segunda-feira, 17 de fevereiro de 2014

POLICIAL MILITAR FICA FERIDO APÓS AGRESSÃO DE MENOR

Um policial militar ficou ferido após receber uma forte pancada na cabeça, desferido por um menor, enquanto atendia a uma ocorrência de agressão no bairro Mãe Rainha, na tarde deste domingo (16). Ele teve que ser medicado, mas passa bem.
Tudo começou quando um adolescente de 17 anos acionou a guarnição de plantão, informando que seu irmão, de 19, o havia agredido. Os policiais foram ao local e, após ouvir relato da vítima, deram voz de prisão ao autor, que resistiu violentamente. Durante a luta pra contê-lo, outro irmão, de 16 anos, aproveitou-se do momento em que a tonfa do policial caiu ao chão e a pegou, imediatamente atingindo-o na cabeça e causando-lhe um corte na testa. Em seguida, o infrator fugiu e se escondeu na casa de sua tia.
Os outros militares também sofreram escoriações, mas o agressor mais velho foi detido. O menor, após intercessão de sua familia, se entregou.
Todos passaram por atendimento médico e depois seguiram para a Delegacia Regional de Alfenas, para as demais providências. Já se sabe, no entanto, que o adolescente, como em tantos outros casos, foi liberado aos seus "responsáveis", após definição de que a sua ação seria alvo apenas de um TCO (Termo Circunstanciado de Ocorrência).
Detalhes em nossa próxima edição do JPF.


domingo, 13 de outubro de 2013

VIOLÊNCIA BANALIZADA - 13/10/2013

Hoje em dia, qualquer motivo serve para explosões de violência, sem qualquer importância dada para a vida do ser humano. Foi o que aconteceu na madrugada deste domingo em Poço Fundo, quando um jovem se envolveu em discussões numa casa de eventos e depois foi agredido brutalmente do lado de fora. As marcas ficaram numa esquina próxima ao estabelecimento. Literalmente, voltamos aos tempos das cavernas, ou pior. Talvez já tenha passado da hora de se fazer algo contra essa banalização da violência.


sexta-feira, 24 de maio de 2013

LAVRADOR É PRESO POR POSSE ILEGAL DE ARMA E AGRESSÃO


Um lavrador que agrediu a esposa em um sítio de Carvalhópolis acabou preso após a denúncia de que, além do ato covarde, ele também a teria ameaçado de morte com uma garrucha, na madrugada desta sexta-feira (24). Acionada, a Policia Militar foi até o local para atender à vitima e acabou encontrando na casa a arma, cinco munições intactas de calibre 22 e ainda 12 outros cartuchos deflagrados. S.J.S., o marido valentão, que foi levado para a Delegacia Regional de Alfenas, terá que responder por posse ilegal de arma de fogo e munição, além de receber as sanções previstas pela Lei Maria da Penha.

segunda-feira, 6 de maio de 2013

AGRESSÃO TERIA CAUSADO FALTA DE PLANTONISTA NO H.G.

Uma agressão sofrida pelo médico plantonista que atenderia durante o dia neste domingo (5) teria sido a principal causa de sua falta ao trabalho. O profissional teria sido atacado pelo marido de uma paciente no domingo anterior (28/04) e ainda estaria abalado por conta do ocorrido. A explicação foi dada pela Direção do Hospital de Gimirim, que foi contactada pelo JPF na manhã desta segunda-feira (6).
De acordo com as informações colhidas por nossa reportagem, um homem havia levado a esposa, que havia  sofrido um pequeno acidente no sábado, para ser atendida apenas no dia seguinte no hospital. A questão é que ele queria que a mulher fosse atendida antes de outros pacientes, que já esperavam, e resolveu partir para cima do plantonista por não ter conseguido a regalia. Um funcionário que tentou conter a confusão acabou agredido fisicamente.
Ainda de acordo com a diretoria, um boletim de ocorrência chegou a ser feito, mas nem o médico e nem o funcionário levaram a queixa adiante. Mesmo assim, o profissional ficou com medo de comparecer ao trabalho. Houve tentativas de contato com possíveis substitutos, mas sem sucesso. Plantões com remuneração mais vantajosa em outras cidades também colaboraram para piorar a situação.
À noite, o trabalho havia voltado ao normal, mas não se sabe ainda se no próximo domingo, durante o dia, esta questão estará resolvida.
Continuamos à procura de informações e você terá detalhes em nossa próxima edição do JPF.