Mostrando postagens com marcador Caixa Econômica Federal. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Caixa Econômica Federal. Mostrar todas as postagens

quarta-feira, 26 de outubro de 2016

CAIXA ABRE LICITAÇÃO PARA LOTÉRICA EM POÇO FUNDO



Pouca gente presta atenção, mas quem passa pelo prédio onde até alguns meses atrás funcionava a única casa lotérica de Poço Fundo pode ver, escrito em letras garrafais, que enfim foi aberto o Processo Licitatório para a instalação de uma nova unidade. Ou seja, se houver interessados, e eles estiverem dentro das normas exigidas para participação no certame, em breve poderemos ter, novamente, este espaço de relevante importância em funcionamento na cidade.
Num primeiro aviso, dizia-se que o processo teria  início na terça-feira (25/10), e que os interessados devem acessar o site da Caixa para saber mais. Num cartaz mais recente, a informação é de que quem queira se cadastrar pode acessar o site para isso a partir de novembro, quando o edital ficará disponível. Claro que não há uma data específica para início dos trabalhos, mesmo porque tem todo um conjunto de trâmites a serem seguidos (e também alguém que tenha interesse em ser permissionário), mas a novidade anima em muito os moradores, que desde o fechamento do estabelecimento da cidade perdeu um ponto comum de pagamento de contas e também para fazer suas "fézinhas", tendo que se dirigir a Machado para suas apostas ou contar com a compra de bilhetes já prontos de ambulantes.
O jeito é aguardar e torcer...

Em tempo: Entramos em contato com a Caixa para saber mais, e a única informação disponível até o momento é um endereço eletrônico para pesquisa de pregões e também de credenciamento para participar de algum deles (Clique aqui e veja licitações em andamento)

Como funciona?





Para abrir uma unidade lotérica, comercializar todas as modalidades de Loteria e atuar na prestação de serviços, você precisa obter autorização formal da Caixa. E esta autorização é concedida por meio de licitação, baseada em critérios preestabelecidos no edital e regulamentada pelo Regime de Permissão.​​
A relação comercial entre a Caixa e o Empresário Lotérico está fundamentada pelo Regime de Permissão, que é regimentada pela Circular Caixa nº 621/2013 e pela Lei 8.987/95, e que trata da delegação, por meio de licitação, da prestação de serviços concedidos pela Caixa a Pessoas Física e Jurídica, desde que estes demonstrem capacidade de desempenho, por sua conta e risco.​
Para dar início ao processo licitatório para abertura de novas casas lotéricas, a Caixa, por meio de estudo das necessidades do mercado, determina o município, o tipo de unidade lotérica, o local para instalação, a demanda e a necessidade de atendimento. E após isso, divulga o edital do processo de seleção aos interessados em participar. ​
Com a finalização da licitação, o candidato selecionado assina o Contrato de Adesão com a Caixa e deve, também, fazer o pagamento da Taxa de Permissão.
Com tudo pronto, pode-se dar início às atividades na nova unidade lotérica, desde que respeitados os critérios de padronização física e instalação dos equipamentos, e a devida participação no treinamento.
(informações do site da Caixa Econômica Federal).​


terça-feira, 19 de março de 2013

PROGRAMA PARA MORADIA NA ZONA RURAL TEM MAIS 36 CONTRATOS EM POÇO FUNDO

Foto: Toninho Rodrigues

36 familias poço-fundenses foram à Câmara de Vereadores na tarde desta terça-feira (19), para assinar seus contratos do Programa Nacional de Habitação Rural, juntamente com o presidente do Conselho Comunitário de Desenvolvimento Rural da Barra Grande, João Batista, a representante da Caixa Econômica Federal, Dalva Nery e o Consultor da Empreende Projetos e Cálculos, Nélio Freire.
O vice-prefeito Nilson da Silva, principal idealizador e incentivador do projeto, e o vereador Luciano Ferreira também acompanharam o momento das assinaturas e a palestra técnica dada aos beneficiários.
Através do programa, que é parte de outro ainda mais abrangente (o Minha Casa, Minha Vida), moradores da zona rural que estejam devidamente habilitados recebem, em etapas, mais de R$ 29 mil para investir na construção de uma residência padrão, tendo que dar como contrapartida a mão de obra e o pagamento de quatro parcelas de apenas R$ 285 anuais.
Detalhes do programa e da reunião de assinaturas dos contratos você terá em nossa próxima edição do JPF.

Foto: Toninho Rodrigues

Foto:Toninho Rodrigues